O Drama do Eu Falador e as Crenças Negativas

Todos nós temos vários pequenos “Eus” que convivem fazendo parte da constelação do ego. São várias facetas da personalidade que nos fazem agir de maneiras diversas de acordo com a situação. Alguns desses “eus” quando em desarmonia causam conflito e dão vida ao que eu chamo Eu Falador, e está ligado diretamente aos esquemas mentais desadaptativos. As pessoas mais ansiosas apresentam um Eu Falador pessimista alimentado por pensamentos obsessivos.

           Pessoas ansiosas não conseguem ficar um minuto sem um diálogo mental confuso que a faz interpretar a realidade de forma distorcida. O Eu Falador fica o tempo todo nos confundindo e criando muitas situações com pensamentos do tipo: “Será que vou conseguir isso? Será que não é melhor desistir? E se acontecer um acidente? É perigoso se envolver! E se eu fracassar? Estou com uma doença terminal?”. É um diálogo constante e confuso, como se a mente não parasse de falar e inventar mil desculpas ou interpretações.

            O Eu Falador é sempre pessimista. “Se estou sentindo dormência nas mãos é porque estou tendo um derrame!”. Pronto, basta esse pensamento para que o cérebro acredite que estamos em perigo e mande um alerta, na forma de jatos de hormônios que encharcam o corpo e geram uma crise de pânico.

           Para lidar com o Eu Falador é necessário fortalecer o Eu Poderoso, outra parte do ego que é forte, positivo e espiritual. Algumas dicas para gerenciar as crenças e pensamentos negativos do Eu Falador.

1. Distração com foco – buscar coisas e situações que distraia a mente é ótimo para “apagar” a voz do Eu Falador. No entanto, as pesquisas sugerem que o melhor é uma distração específica, com algo prazeroso, em vez de deixar a mente vagar sem rumo. Isso está associado a infelicidade. Se concentrar, por exemplo, na letra de uma música, num filme, programa de TV ou uma tarefa.

2. Gerenciar o estresse – um bom método para evitar os pensamentos negativos é lidar com as situações de stress, gerenciando-as. Muitas vezes acreditamos que a correria deixará pouca energia mental para os pensamentos que incomodam. Mas quando testada cientificamente, esta ideia se revelou um mau procedimento. Em vez de ser uma distração, o estresse fortalece os pensamentos indesejados, que voltam mais fortes.

3. Lidar com os pensamentos – tentar suprimir um pensamento negativo pode fazê-lo voltar mais forte. Na verdade, devemos aprender a lidar com os pensamentos ansiosos com uma técnica de adiar a preocupação por um período de 30 minutos (“hora de se preocupar”). Na hora que surgir o pensamento, diga para você mesmo, vou pensar nisso daqui a pouco.

4. Terapia de exposição – é impossível suprimir um pensamento repetitivo, ele sempre volta e com força maior. Devemos então, olha-lo de frente. Ou seja, observar esses pensamentos pode ajudar a se livrar dele. Parece um paradoxo, mas funciona. Essa é a base da Terapia de Exposição, um método que se propõem a curar fobias expondo o cliente de forma segura, ao seu medo. Por exemplo, é possível para uma pessoa com agorafobia (medo de lugares abertos) ser trabalhada, indo devagar e constantemente a lugares abertos. Esta abordagem não é fácil, mas pode ser útil para nos livrarmos dos pensamentos negativos quando usado para combater pensamentos obsessivos e comportamentos compulsivos.

5. Aceitação – existem evidências de que aceitar os pensamentos indesejados em vez de lutar contra eles, é benéfico. Lutar com um pensamento determinado é como lutar contra areia movediça. Assistir aos pensamentos na imaginação é uma técnica interessante. Imagine, por exemplo, que os pensamentos estão saindo pelo alto da cabeça, ou pelas orelhas, como se fossem em pequenos cubos coloridos, ou nuvens, ou raios de luz. Não tente conduzir nada, apenas observe respirando calmamente.

6. Medite – parecido com a exercício da aceitação, a proposta da meditação conhecida como mindfulness, pode desenvolver atitudes de compaixão e não-julgamento dos nossos pensamentos. É uma abordagem útil para gerenciar os pensamentos negativos.

7. Autoafirmação do Eu – A autoafirmação é muito antiga, e só atualmente a psicologia tem se interessado por essa técnica. Consiste no pensar sobre nossas características positivas para aumentar a confiança social e autocontrole, mudando crenças negativas. Pode ser útil para se livrar dos pensamentos negativos quando a pessoa estiver bem treinada na técnica.

8. Escrever ou desenhar sobre eles – ao expressar nossos mais profundos pensamentos e sentimentos, escrevendo ou desenhando, tem vários benefícios a saúde psicológica. Escrever sobre si mesmo nos ajuda a limpar os pensamentos negativos.

(Texto do e-book Manual de Sobrevivência ao Medo – Uma Visão Psicoenergética da Sindrome do Pânico – Isa Magalhães.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *