Como viver a raiva de forma positiva

Gestão da raiva é o processo de aprender a reconhecer os sinais de que você está ficando com raiva, e tomar medidas para se acalmar e lidar com a situação de uma forma positiva. O controle da raiva não tenta impedi-lo de sentir raiva nem te encoraja a segurá-la. A raiva é uma emoção normal e saudável quando você sabe expressá-la adequadamente – o controle da raiva é sobre como aprender a fazer isso”. – The Mayo Clinic

É impossível uma pessoa não sentir raiva em diferentes graus de intensidade e de tempos em tempos. A raiva é uma das emoções primárias mais convincente, que surge como uma forte onda de sensações físicas, fazendo nosso coração acelerar e a musculatura se contrair na preparação para o ataque. Nesse momento, o melhor é aceitar sua presença e aprender a lidar com ela gerenciando-a de forma eficaz. Não é saudável explodir ou segurar a raiva. Aprender a controlá-la de maneira equilibrada é o correto.

As emoções primárias têm curta duração, e são normalmente (claro que nem sempre) desencadeadas por eventos de importância relativamente baixa, mas estressante. Por outro lado, as emoções de longa duração tendem a ser sobre algo muito importante.

A energia da raiva é uma emoção rápida e intensa, mas que poderá se tornar cólera e magoa se não for devidamente trabalhada. As emoções derivadas da emoção primária geram pensamentos e sentimentos negativos, perturbando nossa vida, abrimos a porta para a amargura, cólera e pessimismo, por exemplo. Para isso, existem técnicas que podem nos ajudar na gestão da raiva, nos mantendo com certo equilíbrio. No entanto, todo o processo vai depender do nosso temperamento (leia sobre isso no artigo (Aprendendo a Viver Através da Educação Emocional).  

Se você tem um temperamento mais explosivo ou retraído demais, é necessário procurar a reestruturação cognitiva para aprender a fazer a gestão da raiva de maneira mais equilibrada: nem explodir nem guardar! Na verdade, as pessoas irritadiças tendem a explodir e agir precipitadamente quando confrontadas com uma situação ou pessoa que lhe estresse. As pessoas reservadas tendem a jurar e amaldiçoar, mas explodem para dentro, e isso é muito ruim.

O problema aqui é óbvio – tais comportamentos tornam impossível qualquer solução potencial e tendem a alimentar a raiva. A reestruturação cognitiva é mudar a maneira como pensamos, nossas crenças e modelo mental. Assim, torna-se mais fácil a gestão da raiva, pois mudamos os processos de pensamento de dramáticos e exagerados quando estamos com raiva, para mais racional e atento.

Um exemplo prático. Estamos esperando na fila do supermercado e super atrasados para uma reunião importante. De repente, surgem na sua frente várias pessoas com atendimento prioritário (idosos, grávidas…). Naturalmente o medo de atrasar vai levar a raiva da situação. Dependendo do seu temperamento, você pode gritar e reclamar para ter mais caixas, ou ficar remoendo e xingando baixinho. Em vez de pensar: “merda, vou me atrasar”, deve reconhecer a situação e substituir o pensamento por algo mais racional: “não tenho controle sobre essa situação. E vou manter a calma!”, etc. Ao mudar o pensamento, mudamos a química das emoções, e assim, fazemos a gestão da raiva e até de outras emoções, obtendo um resultado favorável.

Outra boa técnica é quando você sentir raiva, ao em vez de ficar pensando na situação, pessoa ou coisa que lhe deixou colérico, se concentre numa solução para resolver o problema ou sair da situação que lhe deixa desequilibrado. Por exemplo, um colega de trabalho tem um comportamento que lhe chateia ou irrita. Acalme-se e tenha um diálogo construtivo ou defina limites entre vocês. Tenha consciência que a raiva não controlada, é explosivo que não resolve nada! Para controlar o corpo, pois as emoções são biológicas, respire profundamente algumas vezes, saia de cena (da situação estressante), tome água e pense em uma solução racional.

Vale também aprender técnicas de relaxamento do tipo respiração profunda e imagens relaxantes, para acalmar a emoção e os pensamentos ligados a raiva. Como por exemplo:

– Respiração abdominal: respirar profundamente sentindo a barriga aumentar e encolher.

– Usar palavras tranquilizadoras: repetir várias vezes palavras como “vá com calma”, “relaxe” e “tudo vai ficar bem” ajudar nos momentos de forte tensão. Recomenda-se usar com a prática da respiração profunda.

– Visualização: pensar em imagens que tragam relaxamento – de lugares, pessoas ou até imagens sagradas que tragam paz e segurança interior.

– Aprender a fazer exercícios suaves como as posturas da ioga, meditação, tai-chi, também podem ajudar a soltar os músculos, trazendo relaxamento físico e emocional.

O mais importante é a prática dessas e outras técnicas, constantemente. Assim, quando sentirmos que a raiva vai ficar no controle, convidamos a paz para vencer esses estados mentais negativos, ficando mais equilibrados e com uma vida saudável.

Quer saber mais?

Conheça o livro Educação Transcomportamental, Isa Magalhães, Ludis Editora, 2018.

Ou entre em nosso site e leia sobre o Programa SILES – Sistema de Educação Socioemocional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *