Avaliação em Sala de Aula através das Emoções

As escolas estão cada vez mais conscientes de que não podem mais avaliar seus alunos apenas pelo conteúdo ministrado. Vivemos tempos de múltiplas dimensões do conhecimento e da vida, como isso, é importante que a escola promova métodos de avaliação mais sistêmico. E isso só é possível se a escola proporcionar intervenções com programa e projetos de educação socioemocional.

Sabemos que as emoções afetam e estão interligadas com os processos cognitivos de aprendizagem e também, com a motivação da sala de aula e a interação social. Na vida cotidiana da sala de aula, os alunos e os professores precisam ou se sentem obrigados a regular suas emoções.

Vários pesquisadores têm tentado compreender como melhorar o ambiente da sala de aula para assim, melhorar as relações e a motivação dos alunos. Descobriu-se que o desenvolvimento da estratégia de regulação emocional pode colaborar imensamente para esse processo. Além disso, essas pesquisas indicam que algumas estratégias de regulação emocional são mais eficazes do que outras, por isso, não existe o melhor projeto de educação socioemocional, e sim, as estratégias mais favoráveis para a escola de acordo com suas necessidades, cultura e alunos.

Programas de saúde emocional e do bem-estar nas escolas desempenham um papel decisivo para o desenvolvimento positivo das crianças e adolescentes. Esses programas consistem na investigação, planejamento e desenvolvimento de projetos de Aprendizagem Socioemocional, onde também são construídos indicadores para a avaliação emocional e comportamental em sala de aula.

A primeira fase de um projeto consiste na investigação, o momento de pesquisa do clima e necessidades comportamentais da escola. A segunda fase é o planejamento para a construção do programa. Nessa parte, é preciso estabelecer o conteúdo programático e seus indicadores, de acordo com cada fase escolar.

Geralmente, a fase inicial dos programas de Aprendizagem Socioemocional, envolve entrevistas com os professores, alguns alunos representantes de turmas e seus familiares. Após isso, constrói-se questionários para os alunos com questões objetivas (múltiplas escolhas) e subjetivas (de autorrelato). No planejamento do programa estabelecemos qual tipo de linguagem pedagógica usaremos na escola: palestras, seminários, workshop ou projetos de sala de aula integrado a alguma disciplina. Pode ser uma mistura desses modelos pedagógicos.

Estudos sobre esse assunto, revelaram também a existência de necessidades socioemocionais dos alunos nos cinco principais domínios da Aprendizagem Socioemocional (autoconhecimento, consciência social, autorregulação, competências relacionais e tomada de decisão responsável). Mostraram ainda, uma elevada receptividade dos alunos com as atividades e de conteúdo dos programas de Aprendizagem Socioemocional se eles forem lúdicos e dinâmicos.

Para responder ao desafio de desenvolver intervenções em meio escolar que sejam motivadoras para as crianças e os adolescentes, é importante corresponder à curiosidade e dinamismo dessa faixa de idade, disponibilizando uma abordagem inovadora aos programas de Aprendizagem Socioemocional, usando atividades que tenham interesses e satisfação para os alunos. Neste âmbito é que as atividades de Educação pela Arte (dança, teatro, desenho, pintura), jogos, textos literários e rodas de conversas, podem ser valorizadas comparativamente a outro tipo de metodologia.

Com isso, todos os pesquisadores da área recomendam que os programas de Aprendizagem Socioemocional são mais eficazes, quando usam atividades ativas, que impliquem movimento e “fazer coisas” do que atividades mais passivas, nas quais os alunos fiquem sentados apenas ouvindo. Deste modo, desenvolver projetos de educação socioemocional em contexto escolar se torna mais interessante para utilização dessas atividades, pois muitas vezes é difícil incluir estas aprendizagens no currículo escolar. Já os projetos podem ser enquadrados como atividades extracurriculares.

Para finalizar, as pesquisas mostram ainda, que os alunos que participam de programas de educação emocional aumentaram significativamente suas competências socioemocionais de autorregulação das emoções e relacionais, comparativamente com os alunos que não participaram. Para validar o programa implementado na escola, no final do projeto devemos avaliar os cinco principais domínios da Aprendizagem Socioemocional, como também, o bem-estar e o envolvimento dos alunos no processo de aprendizagem escolar.

Quer saber mais?

Conheça o livro Educação Transcomportamental, Isa Magalhães, Ludis Editora, 2018.

Ou entre em nosso site e leia sobre o Programa SILES – Sistema de Educação Socioemocional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *